O que fazer em caso de perda do voo corporativo?

Se perder um voo pessoal já é um transtorno, imagine perder um voo a trabalho! Ninguém está a salvo de imprevistos que levem à perda do voo, e muitas pessoas se desesperam nesses casos, por não saber como proceder. Por isso, neste post, vamos explicar o que você deve fazer se perder seu voo corporativo

Remarcando o voo corporativo

O primeiro passo é comunicar à empresa o ocorrido para minimizar os danos causados. Explique o motivo do atraso e as instruções dadas no aeroporto. Lembre-se de verificar sua agenda para descobrir se ainda há tempo hábil para participar dos compromissos agendados no local de destino. Nesse momento, é importante já desmarcar ou adiar as reuniões e tarefas que estavam previstas.

O segundo passo é negociar com a empresa aérea para remarcar o voo, o que é um direito garantido por lei ao consumidor. Porém, a legislação passou por mudanças em 2016. Antes, a passagem emitida tinha validade de doze meses mas, após uma nova resolução da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), o prazo passou a ser definido pelas próprias companhias aéreas. Se a empresa não prestar essa informação no comprovante da compra da passagem, ela será considerada válida até um ano após a data da emissão. 

Quando acontece a perda do voo, ou o cancelamento não é feito dentro do prazo, caracteriza-se o famigerado no show, uma situação em que o passageiro, literalmente, não aparece para tomar seu lugar no avião. Em casos de no show, para remarcar o voo, é preciso arcar com o pagamento de uma taxa extra devido ao atraso do embarque. O preço das tarifas de remarcação variam de acordo com a companhia aérea e também conforme os tipos de passagens disponibilizadas. 

Além disso, as taxas também variam de acordo com o tempo decorrido. Em certos casos, nem aparece no site da companhia a opção de realizar a remarcação online. Assim, o recomendado é consultar o quanto antes as tarifas e procedimentos de no show, remarcação e cancelamento, ou simplesmente ir à loja da empresa aérea no aeroporto para ficar a par de todas as informações. Fazendo isso, o passageiro descobre também a disponibilidade de voos próximos e as regras tarifárias, aumentando sua conveniência e facilitando o procedimento de remarcação.

Vale lembrar ainda que, na hora de reagendar o voo, pode ser necessário arcar com as diferenças de tarifas entre o voo perdido e o novo voo escolhido. Por exemplo, se a passagem “antiga” tiver sido adquirida em uma promoção relâmpago, ou comprada com muita antecedência, o reagendamento provavelmente vai encarecer o preço.

Solicitando o reembolso da passagem

Já se o passageiro não pretender remarcar o voo, por entender que os compromissos profissionais serão perdidos de qualquer jeito, a solução é solicitar o reembolso do valor da passagem para a companhia aérea, conforme regulamenta a ANAC. O reembolso pode ser pedido enquanto a passagem estiver na validade: caso tenha expirado, ficará a cargo da companhia o critério de correção do valor a ser ressarcido. 

As taxas do serviço de reembolso também podem variar de acordo com a companhia e do tipo de passagem. Algumas empresas cobram uma taxa de serviço de 10% do valor a ser reembolsado ou de um valor equivalente a 25 dólares, convertidos segundo a taxa de câmbio vigente na data da solicitação.  

É importante frisar, nesse momento, que as passagens promocionais normalmente não são reembolsáveis.

Remarcar ou solicitar o reembolso? 

Antes de optar pelo reembolso ou pela remarcação do voo perdido, é importante comparar as taxas de cada um dos serviços e analisar qual vale mais a pena. Se não houver voos disponíveis no período que você necessita, pode ser mais vantajoso simplesmente solicitar o reembolso e procurar outra companhia aérea. 

Também é importante calcular se você conseguirá chegar a tempo de seus compromissos profissionais, mesmo que o voo seja reagendado. Em algumas situações, perder o voo significa chegar atrasado para todas as reuniões e eventos previstos, de modo que nem adiantaria remarcar. 

Em caso de perda de voo a trabalho, é necessário combinar com a sua empresa como se dará o reembolso dos gastos adicionais, já que esse contratempo infelizmente acarreta despesas extras.  Fique de olho na política de despesas e reembolsos e verifique se há alguma cláusula sobre isso.

Se a política tiver sido bem elaborada, certamente haverá a regulamentação sobre as situações em que o colaborador pode ser ou não ressarcido pelas despesas em viagens corporativas. Se não houver nada sobre o assunto, é importante consultar seu gestor e conversar sobre os deveres e direitos do viajante corporativo em casos como esse. 

Remarcar a passagem aérea ou pedir o reembolso do valor é possível, mas pode gerar custos que acabam prejudicando o orçamento da viagem. Tenha isso em mente e, da próxima vez, redobre os cuidados para evitar atrasos! Esperamos que este post tenha trazido informações úteis para você.