Comece a usar o sistema de remuneração estratégica para estimular o seu time

Saber reter talentos no quadro da empresa é uma arte que todo gestor deve dominar. Afinal, não é possível crescer e ter sucesso sem colaboradores engajados e comprometidos com o negócio. E, é claro, quem se destaca merece algumas regalias. É aí que entramos no tema do post de hoje: a remuneração estratégica, uma maneira de recompensar os profissionais que demonstram melhores desempenhos.  

Trata-se de um modelo de premiação muito eficiente para a retenção de bons funcionários na empresa e, de quebra, para aumentar a produtividade da equipe. Neste post, vamos explicar o conceito da remuneração estratégica e como ele pode ser usado para melhorar os resultados. 

O que é remuneração estratégica?

A remuneração estratégica é um sistema que foca nos profissionais individualmente, e não nos cargos que eles ocupam na hierarquia organizacional. Ela extrapola a questão salarial e engloba outros instrumentos de recompensa, como salários indiretos, remuneração por competências e participação nos lucros.

Essas ferramentas de premiação levam em consideração os objetivos da empresa e as pretensões dos trabalhadores que nela atuam. Quando bem utilizada, a remuneração estratégica pode ser um ótimo fator de atração e de motivação de funcionários, e ajudar a reter os melhores talentos, além de conferir mais qualidade ao trabalho exercido, estimular o exercício em equipe e proporcionar mais autonomia ao time. 

Normalmente, a remuneração estratégica funciona da seguinte maneira: uma parcela do pagamento é fixa, correspondendo ao salário padrão referente à função desempenhada e aos benefícios legais pagos a todos os colaboradores, e outra parcela é variável, sendo associada à produtividade do colaborador e aos resultados conquistados. Essa parte da remuneração envolve premiações e comissões, por exemplo. 

Por que adotar a remuneração estratégica

A adoção de premiações atreladas ao cumprimento de metas e à realização de resultados estimula o reconhecimento dos colaboradores, que se sentem atraídos pela gratificação e, para serem merecedores dela, não medem esforços para aumentar o desempenho e aprimorar as entregas. Assim, suas atividades são aperfeiçoadas, e sua produtividade, melhorada. 

Esse sistema também ajuda a melhorar as condições dos funcionários com base no mérito pessoal, funcionando como um complemento de renda justo. Eles se sentem reconhecidos, valorizados, e notam uma compensação pelos seus esforços. Isso tudo favorece a criação de um ambiente de trabalho muito mais saudável, em que todos os profissionais trabalham felizes e são remunerados de acordo com a qualidade de seus serviços. 

Para a empresa, isso não gera impactos negativos financeiramente, já que a estratégia não afeta os custos fixos. Na verdade, o oposto acontece, já que a remuneração estratégica é um estímulo para que os funcionários corram atrás de resultados cada vez melhores e, assim, contribuam com o aumento da lucratividade. 

Em síntese, a remuneração estratégica conduz a empresa a uma melhoria de resultados, na medida em que potencializa o comprometimento dos colaboradores com a produtividade e produz uma melhoria considerável nos níveis de motivação e desempenho individual. É também uma maneira de atrair talentos para a empresa.

Como implantar a remuneração estratégica em sua empresa

Para que seja realmente efetiva, a remuneração estratégica deve estar aliada aos objetivos e à realidade da empresa. Existem várias maneiras de adotá-la em seu negócio. Confira a seguir algumas ideias. 

Uma das formas mais populares é a remuneração variável, que está atrelada a metas de desempenho individual e/ou de equipe, e pode incluir a participação nos lucros da empresa ou a remuneração por resultados. Dentro dessa modalidade, inclui-se o bônus, uma porcentagem extra do salário que normalmente é concedida aos cargos de confiança, e também a PLR (Participação nos Lucros e Resultados), o oferecimento de uma quantia extra de acordo com os resultados da empresa.

Outra maneira de fazer remuneração estratégica é adotando o lump sum, um pagamento anual feito em uma só parcela para premiar e motivar os funcionários enquanto eles aguardam por uma promoção “oficial” de cargo. 

Para as posições mais altas da empresa, como os cargos executivos, uma opção é implementar o hiring bônus, o pagamento de uma quantia que se dá antes da contratação do funcionário para garantir que não aceitará uma proposta de outra empresa.

Outra opção que pode ser adotada é o salário indireto, que consiste em premiações que não envolvem valores financeiros, mas sim benefícios sociais como gratificações, direito a creches, acesso a clubes e restaurantes no local de trabalho. 

Também focadas em favorecer indiretamente os colaboradores, as ações de qualidade de vida também podem ser empregadas com sucesso para motivar. Tratam-se de ações que visam a promover mais saúde e bem-estar, como o oferecimento de ginástica laboral ou massagens, o acesso a academias, entre outros. 

Por fim, as participações acionárias também costumam ser muito atrativas para os colaboradores. Elas estão associadas ao alcance de metas de produtividade, e servem para intensificar o compromisso entre o profissional e a empresa, já que, de certa forma, ao ter participação nas ações ele acaba sendo um pouco “dono” do negócio. 

O grande trunfo do sistema de remuneração estratégica é catapultar a competitividade da empresa no mercado graças ao empenho de suas equipes, ao oferecer benefícios para quem apresentar os melhores resultados. É uma prática que estimula a meritocracia, já que a remuneração é feita de acordo com o grau de qualidade do trabalho realizado.

Você já faz uso desse sistema em sua empresa?